Investimentos imobiliários: 3 premissas do mercado atual


Investidores
 que optam por trabalhar com imóveis são movidos a desafios. O setor, sempre em alta, pode apresentar dificuldades em períodos de recessão econômica. Ainda assim, segue como um dos mais lucrativos.

Entretanto, quem almeja obter os melhores resultados no ramo do investimento imobiliário precisa conhecer as premissas do mercado atual.

Pensando nisso, mapeamos 3 delas para que você possa alavancar sua carreira e subir de patamar enquanto profissional. Confira logo abaixo!

  1. Conhecer os tipos de investimento imobiliário

Manter-se atualizado é uma premissa básica para qualquer um que atue com finanças em geral. Afinal, não há como entender as novas tendências sem acompanhar de perto as principais mudanças.

Conhecer a fundo os tipos de investimento em imóveis é o ponto de partida para fazer sucesso. Existem, resumidamente, três categorias mais comuns:

  • Desenvolvimento: nessa modalidade, o gestor investe em imóveis que ainda não foram construídos, na expectativa de gerar lucro conforme as vendas forem sendo feitas. É um modo arriscado. Segundo Maximiliano Marques Rodrigues, da Votorantim Asset Management, em entrevista para a revista Exame, “quando só o terreno foi definido, é muito difícil avaliar qual é o potencial de lucro e de receitas de um fundo”;
  • Renda: aqui o foco recai sobre imóveis já construídos e locados, sejam eles habitacionais, corporativos ou comerciais;
  • Títulos: tem um viés mais financeiro, já que é voltado para compra e venda de títulos e fundos como CRIs (Certificado de Recebíveis Imobiliários) e LCIs (Letra de Crédito Imobiliário).

 

  1. Saber os riscos e retornos de cada investimento

Como já dito, há um grande risco em investir em fundos de desenvolvimento. Contudo, ele é uma das modalidades que mais traz retorno ao investidor. Levando isso em conta, se você pretende fazer investimentos imobiliários, sempre considere as possibilidades de ganho versus as chances de fracassar em um empreendimento.

Visar a renda é recomendado para quem tem um perfil mais conservador. Embora sejam mais garantidos, eles geralmente apresentam uma margem de lucro menor.

Já os títulos são os favoritos de quem conhece bem a modelagem financeira, pois apresentam uma variação considerável no que tange à flutuação. O rendimento está atrelado a índices específicos, como IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), entre outros.

  1. Entender como funcionam os fundos de investimento imobiliário

Comprar títulos ou adquirir cotas em fundos imobiliários é bastante semelhante à compra de ações na bolsa de valores. São aplicações rápidas e simples de se fazer, mas que exigem uma boa análise por parte do investidor.

Tendo a liquidez como principal chamariz, aderi-los é mais indicado para quem precisa fazer movimentações constantes. Tal estratégia não pode ser replicada por quem prefere alugar ou vender, por exemplo.

A tributação sobre pessoas físicas também é convidativa, já que as isenta do Imposto de Renda (IR). No entanto, para que esse benefício seja válido, é preciso que:

  • o cotista tenha menos que 10% das cotas do fundo;
  • as cotas sejam negociadas exclusivamente na bolsa ou em mercado de balcão organizado;
  • o fundo tenha 50 cotistas, no mínimo.

O investimento imobiliário é um caminho atraente e rentável, mas que requer preparação e aperfeiçoamento. Portanto, não deixe de procurar bons cursos preparatórios e uma qualificação adequada.

Gostou do post? Ficou com dúvida sobre algum tema? Então deixe um comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *